003.jpg
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/947435Fiscontal.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/467488837198002.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/146270Segeti_Silva.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/990153Sem_t__tulo_1.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/900985ARQFISCO.jpglink
Fiscontal The accounting as a source of resistance to the economic crisis SS Tap Arq Fisco


Arquivo de artigos

  Português ingles  

 

Arquivo de artigos

Segeti News / Artigos
Cobrança de impostos sobre lucros no exterior geram disputa entre Vale e Receita PDF Imprimir E-mail

DANIELLE NOGUEIRA

Publicado: 26/02/14 - 21h18 Atualizado: 26/02/14 - 21h52 - 


Com adesão ao Refis, mineradora reduziu dívida de R$ 45 bi com o Fisco pela metade, com parcelamento em 179 vezes

RIO - Em novembro de 2013, a Vale anunciou sua decisão de aderir ao Refis, o programa de refinanciamento de dívidas tributárias do governo federal. Com isso, conseguiu reduzir sua dívida com o Fisco à metade. O contencioso, que se arrastava há anos, somava R$ 45 bilhões.

Com a adesão ao Refis, a dívida da empresa caiu a R$ 22,3 bilhões. E a mineradora ainda conseguiu parcelar parte do montante em 179 vezes.Essa dívida envolve divergências quanto ao pagamento de impostos de empresas coligadas e controladas por companhias brasileiras no exterior. No passado, a Vale tomou a decisão estratégica de contabilizar uma parcela relevante do lucro obtido em diferentes países nos locais onde possuía filiais.

Assim, conseguia pagar uma alíquota de Imposto de Renda menor que a praticada no Brasil. O mesmo se aplicava à Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL).Essa manobra contábil passou a ser questionada pela Receita Federal, a partir de uma Medida Provisória de 2001, que tratava do regime de tributação de empresas brasileiras. Antes mesmo de receber qualquer autuação fiscal, a Vale entrou, em 2003, com um mandado de segurança para questionar a aplicabilidade da MP.

O principal argumento da Vale era o de que o Brasil mantinha acordos para evitar a bitributação com os países onde a companhia tinha subsidiárias. Ou seja, evitar que a empresa pagasse impostos aqui e lá.De nada adiantou. A Vale perdeu em primeira e segunda instâncias. Em dezembro 2011, apresentou novo recurso junto ao Superior Tribunal de Justiça. Mas o julgamento, que estava previsto para novembro passado, acabou sendo suspenso.

Com isso, a Vale ficou num jogo de sinuca. O prazo para aderir ao Refis era justamente novembro.A Vale, então, abriu mão das ações que move na Justiça contra o governo relativas ao período de 2003 a 2012, que abrangem a maior parte da dívida. A companhia decidiu, no entanto, manter as ações relativas aos anos de 2002 e 2013.

Paralelamente, a Vale também aguarda decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) relativa à cobrança de IR e CSLL sobre os resultados de suas subsidiárias no exterior. Uma liminar garante à Vale a isenção da cobrança, mas o mérito ainda não foi julgado. Neste caso, o questionamento feito pela empresa é quanto à constitucionalidade da MP de 2001 que alterou o regime de tributação.

Há outras ações semelhantes no STF movidas por outras empresas.Caso a Vale obtenha uma vitória em qualquer um dos tribunais, a mineradora poderá parar de pagar as futuras parcelas acertadas no Refis e ainda exigir que os pagamentos já feitos “retornem” à mineradora em forma de créditos tributários.

Fonte: O Globo 

 
« InícioAnterior481PróximoFim »


 
   

Grupo Segeti - R. Doutor Olavo Egídio, 812 - Santana - São Paulo / SP - Telefone: (11) 2971-5500 | Design e Otimização por Barutti.com.br