arte - curta nossa pgina.jpg
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/947435Fiscontal.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/467488837198002.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/146270Segeti_Silva.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/990153Sem_t__tulo_1.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/900985ARQFISCO.jpglink
Fiscontal The accounting as a source of resistance to the economic crisis SS Tap Arq Fisco


Pequenas empresas querem flexibilidade PDF Imprimir E-mail


Por Abnor Gondim

BRASÍLIA - O governo deve manter o calendário para adoção do Sped e do eSocial, novidades digitais a serem introduzidas na contabilidade empresarial, mas poderá flexibilizar os prazos e adotar incentivos fiscais e capacitação das micro e pequenas empresas e dos microempreendedores individuais.

Argumentações neste sentido foram manifestadas por representantes de entidades empresariais e de contabilistas ouvidos pelo caderno especial do DCI sobre o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped). “Precisamos ter prazo”, sinaliza o empresário Antonino Ferreira Neves, diretor de assuntos legislativos, institucionais sindicais e do trabalho da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas (Fenacon), entidade que reúne as empresas de contabilidade no País.

É o que defende também Homero Rutkowski, representante do Conselho Federal de Contabilidade (CFC) no Sped. “Esse projeto tem dez anos. A primeira coisa foi a Nota Fiscal Eletrônica, que teve uma grande adesão inclusive das micro e pequenas empresas”, lembra o especialista. “Pequena empresa não pode ser tratada igual a uma média e a uma grande empresa. Porque não pode ter contador, não pode dar para alguém fazer a sua contabilidade, tem que ser feita pela pessoa”, reforça o empresário José Paulo Dornelles Cairoli, presidente da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB), organização que reúne cerca de 2.400 entidades em diversos municípios do País.

Prazos e custos

Na avaliação do diretor da Fenacon, há o princípio da flexibilidade na adoção do eSocial, sistema de dados sobre a relação empregador e empregado. “Era agosto. Depois se viu que agosto não vai dar, passou para novembro para alguns segmentos de contribuintes. O que não pode é não haver prazo”, argumenta.

Segundo Neves, o eSocial vai representar custos operacionais adicionais para as micro e pequenas empresas optantes ou não do Supersimples e para os microempreendedores individuais, especialmente os que têm o único funcionário permitido pela legislação.

“Os investimentos podem representar um custo adicional de R$ 1.500,00 para a compra de computador e programa. Mas isso já representa um custo alto para uma microempresa”, aponta Neves. Outra despesa a ser arcada pelos empreendedores de pequenos negócios ao ingressarem na contabilidade digital é com a contratação de serviços ou de empregado para preencher os dados a serem enviados pela internet para o Sped e para o eSocial.

“Acho que deve haver incentivos fiscais, financiamentos e capacitação oferecidos pelo governo para compensar as despesas a serem assumidas pelos empreendedores”, indica o dirigente da Fenacon. Quanto à complexidade deste projeto para os empresários, o representante do CFC compara:  ”Se mandávamos 100 informações sobre uma operação, hoje mandamos mil”.

O presidente da CACB também defende que o governo deve oferecer atrativos para incentivar a migração dos empreendedores para os novos sistemas de fornecimento de informações. “Tudo tem que ser feito de forma a facilitar para que a pessoa possa cumprir as responsabilidades fiscais e sociais”, afirma Cairoli.

E acrescenta: “Então tudo o que se resumir dessa forma tem o nosso apoio contra, por exemplo, o complicômetro, que gera essa burocracia maluca que só aumenta, aumenta. Não é que aumentam os impostos. Aumenta a dificuldade de cumprir com as obrigações. Isso não vai diminuir se a gente não focar nas micro e pequenas empresas. E aí vai melhorando a situação do resto dos empreendedores”.

Missão do empresário

“Todavia, nem tudo são flores espinhosas. Temos um lado bom do Sped”, sustenta Ronaldo Dias Oliveira, que é empresário contábil, consultor de empresas e diretor da Brasil Price Gestão Contábil em Araguaína (TO).De acordo com Oliveira, alguns empresários acham o Sped “coisa de contador”, mas vê nisso “erro conceitual, pois uma das premissas deste sistema é que toda a informação deve ser gerada a partir do software instalado em sua própria empresa, e no momento em que ele compra, vende, estoca e opera com cartões de crédito, tudo isso  é enviado ao Fisco (praticamente on-line)”.

Nada, portanto, restará ao contador fazer quando for apurar impostos e fechar sua contabilidade. “Afinal, não há como ignorar ou alterar uma nota eletrônica, desfazer uma transação bancária, ou ainda emitir notas com datas retroativas”, adverte o diretor da Fenacon. Assim, o Sped e o eSocial podem ser um “divisor de águas”, como afirmam os contadores, ou uma “avalanche”, como temem os representantes dos empresários de pequenos negócios.

A questão mobiliza várias entidades a pedir mais prazo, caso da  comissão de tecnologia de informação da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac). Para o diretor da entidade, Ricardo Gimenez, o governo tenta começar com o que é mais simples para ele, iniciando com produtores rurais e depois com o lucro real. E o mais interessante é que estabelece que “empresas do próprio governo” serão as últimas.

Fonte: DCI – SP/FENACON

 

 
   

Grupo Segeti - R. Doutor Olavo Egídio, 812 - Santana - São Paulo / SP - Telefone: (11) 2971-5500 | Design e Otimização por Barutti.com.br