003.jpg
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/947435Fiscontal.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/467488837198002.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/146270Segeti_Silva.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/990153Sem_t__tulo_1.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/900985ARQFISCO.jpglink
Fiscontal The accounting as a source of resistance to the economic crisis SS Tap Arq Fisco


Das rodovias sob gestão pública, só 29% são boas PDF Imprimir E-mail
Terça, 21 de Outubro de 2014 08:20

Das rodovias sob gestão pública, só 29% são boas

- A qualidade das rodovias ainda administradas pelo poder público, seja governo federal ou estaduais, é bem inferior que as das já privatizadas. É o que aponta levantamento divulgado ontem pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT).

Se apenas 37,9% dos 98.475 km de rodovias pesquisadas pela entidade foram classificados como bons ou ótimos, esse índice cai para 29,3% quando avaliados apenas os trechos sob gestão pública. De acordo com o levantamento, 70,7% das pistas pesquisadas que são administradas pelos governos estaduais ou federal apresentam falhas. Nas rodovias federais, porém, o desempenho é melhor que nas estaduais, com 41,4% da malha considerada boa ou ótima, enquanto 58,6% estão entre regular, ruim ou péssima.

Situação oposta

No caso das rodovias concedidas à iniciativa privada, a situação é exatamente a oposta. Das pistas privatizadas pesquisadas, 74,1% foram classificadas como boas ou ótimas pela Confederação Nacional dos Transportes, enquanto apenas 25,9% registraram problemas.

Além disso, esses trechos com problemas correspondem, em sua maior parte, às rodovias que passaram para a iniciativa privada no ano passado por meio do Programa de Investimentos em Logística (PIL) e apenas começam a receber investimentos por parte dos consórcios. "Isso reflete um ponto fundamental: a continuidade dos investimentos. Com o pagamento de pedágios, existe um fluxo contínuo de recursos para melhoria e manutenção", avaliou o diretor da CNT, Bruno Batista. De acordo com ele, no caso das rodovias mantidas pelos governos, nem o fluxo e nem a quantidade de recursos têm sido suficientes./Estadão Conteúdo.

Fonte: DCI

 

 
   

Grupo Segeti - R. Doutor Olavo Egídio, 812 - Santana - São Paulo / SP - Telefone: (11) 2971-5500 | Design e Otimização por Barutti.com.br