arte - curta nossa pgina.jpg
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/947435Fiscontal.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/467488837198002.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/146270Segeti_Silva.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/990153Sem_t__tulo_1.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/900985ARQFISCO.jpglink
Fiscontal The accounting as a source of resistance to the economic crisis SS Tap Arq Fisco


Estudo mostra principais causas dos pedidos de demissão PDF Imprimir E-mail
Sexta, 31 de Outubro de 2014 09:48

Estudo mostra principais causas dos pedidos de demissão

A estagnação e o desestímulo são as principais causas para os trabalhadores pedirem demissão nas empresas. É o que revela pesquisa realizada Page Personnel, empresa de recrutamento especializado em profissionais técnicos e de suporte à gestão, e parte do PageGroup. De acordo com levantamento da consultoria, 18% dos consultados afirmam que pedem demissão por sentirem-se estagnados e 14% por sentirem-se desestimulados.

“Esses dois motivos de insatisfação no trabalho estão motivando a saída de cerca de um terço dos profissionais das empresas. O que podemos entender é que há um problema de liderança, de gestão. É papel do líder manter sua equipe motivada, buscando novos desafios para ela. Outra maneira que ajuda a evitar esse tipo de situação é manter um diálogo constante.

Os gestores conseguem eliminar mal-entendidos e indicar aos seus subordinados a real importância que eles têm para a organização. É um procedimento simples, mas de extrema valia para alinhamento de expectativas”, explica Ricardo Haag, gerente executivo da Page Personnel.

A pesquisa, realizada com 400 profissionais técnicos e de suporte à gestão em agosto e setembro deste ano, detectou que 79% já pediram demissão em algum momento da carreira.

Entre os fatores que motivam profissionais a pedirem para encerrar um ciclo de trabalho em uma companhia, 22% informaram que fazem o pedido quando encontram outra oportunidade. Estar insatisfeito com o salário representa 9% dos pedidos de demissão. Há 8% que saem por ter baixa qualidade de vida. Quando o trabalho prejudica a saúde, 6% tomam esse tipo de atitude. Os demais motivos são tornar-me empreendedor (5%), não ter muitas atividades no dia-a-dia (4%), estar insatisfeito com os benefícios que recebe (3%) e sentir que o chefe não confia em mim, querer mais tempo para se dedicar à família ou aos estudos representaram 2%, cada.

O levantamento procurou saber dos entrevistados quais eram as situações mais irritantes no ambiente de trabalho. Uma gestão mal estruturada e sem planejamento é a que mais incomoda, para 21%. Falta de reconhecimento é motivo de irritação em 15% das respostas. Há 14% que apontaram a falta de feedback como motivador. Áreas de suporte pouco ágeis ou de baixa performance irritam 7%.

Outros 7% indicaram a gerência saber menos de mercado do que o subordinado e equipe. As demais situações verificadas no estudo foram, com 6% cada, pouca infraestrutura, empresa de baixo desempenho e burocracias. Cobrança de habilidades ou conhecimentos que não são fornecidos por treinamentos na empresa somaram 4% e demissões que considerou injustas, 3%.

Fonte: Canal Executivo 

 

 
   

Grupo Segeti - R. Doutor Olavo Egídio, 812 - Santana - São Paulo / SP - Telefone: (11) 2971-5500 | Design e Otimização por Barutti.com.br