003.jpg
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/947435Fiscontal.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/467488837198002.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/146270Segeti_Silva.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/990153Sem_t__tulo_1.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/900985ARQFISCO.jpglink
Fiscontal The accounting as a source of resistance to the economic crisis SS Tap Arq Fisco


Cinco em cada dez moradores de favela querem ter negócio próprio PDF Imprimir E-mail
Terça, 05 de Maio de 2015 06:00

Estudo do Data Favela mostra ainda que as comunidades movimentam R$ 68 bi por ano

Rio - Quatro em cada dez moradores de favela desejam ser donos do próprio negócio. Além disso, 55% pretendem abrir um empreendimento em até três anos. Os dados são de pesquisa promovida pelo Data Favela, feita com o apoio do Data Popular e da Central Única das Favelas.

Para o presidente do Data Popular, Renato Meirelles, os dados confirmam que os moradores das comunidades têm mais vontade de empreender do que a população em geral. No Brasil, 23% das pessoas querem investir em negócios próprio.

O levantamento apontou ainda, conforme O DIA destacou ontem, que os moradores de favelas movimentam R$68,6 bilhões por ano. Em 2013, essa população movimentou R$ 63,2 bilhões. O estudo mostra ainda que o aumento da renda média, proporcionado principalmente pelo crescimento real do salário mínimo e do emprego formal, permite que os 12,3 milhões de moradores das comunidades participem do mercado de consumo.

Produzido em fevereiro deste ano, o levantamento ouviu duas mil pessoas de 63 favelas, em dez regiões metropolitanas: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Curitiba, Porto Alegre e Brasília. O texto será apresentado no 2º Fórum Nova Favela Brasileira, que ocorre hoje em São Paulo.

O porteiro Luiz Carlos Rodrigues, 47 anos, integra esse grupo. Porém, ele garante praticar o consumo consciente e evita se endividar: “Não tenho cartão de crédito justamente para não cair na tentação de comprar e depois ficar com dívidas e nome sujo na praça. Passei dez anos juntando dinheiro para comprar um carro.”

De acordo com a pesquisa, a fatia de moradores com carro subiu de 20% para 24% em dois anos, e de 13% para 14% com motos.

FONTE: O Dia

 

 
   

Grupo Segeti - R. Doutor Olavo Egídio, 812 - Santana - São Paulo / SP - Telefone: (11) 2971-5500 | Design e Otimização por Barutti.com.br