001.jpg
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/947435Fiscontal.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/467488837198002.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/146270Segeti_Silva.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/990153Sem_t__tulo_1.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/900985ARQFISCO.jpglink
Fiscontal The accounting as a source of resistance to the economic crisis SS Tap Arq Fisco


A Síndrome do Siri PDF Imprimir E-mail
Quarta, 05 de Agosto de 2015 00:00

A Síndrome do Siri

 

Quando se sai à caça de siris, estes são atirados dentro de um cesto e, enquanto houver apenas um siri dentro do cesto, é importante tampá-lo para impedir que ele escape, porém, à medida que outros siris vão sendo colocados no cesto, já não é mais preciso tampá-lo porque eles mesmos puxam-se uns aos outros para baixo, de modo que nenhum deles consegue sair do cesto.

 

Existem dois grandes obstáculos para o crescimento pessoal e profissional: ego e inveja. Um ego exacerbado nos deixa cegos em relação aos nossos pontos fracos, nos afasta do autoconhecimento e, consequentemente, nos impede de aperfeiçoar habilidades, comportamentos e atitudes que certamente nos fariam pessoas e profissionais melhores.

 

A inveja é ainda mais perigosa porque transfere todo o nosso foco e energia, que poderiam estar sendo utilizados para o nosso próprio crescimento e desenvolvimento, para tentar desqualificar, diminuir e prejudicar uma outra pessoa. Pode parecer paradoxal, mas, apesar de admirar a outra pessoa, por não se sentir em condições de se aproximar do que essa pessoa é, quando o vê subindo, o invejoso, assim como um siri, tenta puxá-lo para baixo.

 

Por isso, é muito importante que busquemos evitar comparações com outras pessoas, porque quando o fazemos, tiramos o foco de nós mesmos para coloca-lo no outro, nos levando a duas possibilidades: Se ao me comparar com os outros, me considero melhor do que eles, é bem que me acomode por entender que não preciso melhorar. Por outro lado, se essa comparação me leva a entender que os outros são melhores do que eu, pode nascer uma semente de inveja, e isso, ainda que inconscientemente, me levar a agir como um siri.

 

Segundo um grande amigo, “o mundo é comparativo” e, portanto, é praticamente impossível evitar comparações no dia a dia, então, o que fazer? Simples: deixando de se comparar com as outras pessoas, para que possa comparar-se com você mesmo. Em outras palavras: Você se comparando com você ontem; você buscando ser hoje, melhor do que você foi ontem. Você pensando hoje, o que pode fazer para ser melhor do que você amanhã. Esse é o único tipo de comparação que nos ajuda a minimizar os efeitos do ego e evitar o sentimento de inveja, que apenas nos impedem de nos tornarmos o melhor que podemos ser.

 

Por isso, já que o mundo é comparativo, escolha comparar-se consigo mesmo; prefira estender a mão, a puxar o tapete; opte por ajudar as pessoas a subir, a puxá-las para baixo.

 

Esta é a melhor maneira de crescer pessoal e profissionalmente, além de contribuir para a construção de um futuro melhor para todos!

 

Autor: Marcos Fabossi

Fonte: Blog do Fabossi

 

 
   

Grupo Segeti - R. Doutor Olavo Egídio, 812 - Santana - São Paulo / SP - Telefone: (11) 2971-5500 | Design e Otimização por Barutti.com.br