arte - curta nossa pgina.jpg
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/947435Fiscontal.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/467488837198002.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/146270Segeti_Silva.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/990153Sem_t__tulo_1.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/900985ARQFISCO.jpglink
Fiscontal The accounting as a source of resistance to the economic crisis SS Tap Arq Fisco


5 erros financeiros que quase todos cometem entre 20 e 30 anos. PDF Imprimir E-mail
Quarta, 10 de Maio de 2017 10:04

Planeje desde cedo para ter segurança ao longo da vida.  

 

SÃO PAULO – A juventude é o melhor momento para começar a organizar a vida financeira: nunca é cedo demais para se preocupar com o futuro. Ao mesmo tempo, é difícil discernir desde cedo como lidar melhor com as finanças.

Embora os tempos de início de carreira sejam ideais para explorar e descobrir novas experiências, é preciso lembrar de poupar e planejar o restante da vida. O consultor da Investopedia Brad Sherman escreveu para o Business Insider alguns dos maiores erros que pessoas cometem entre os 20 e os 30 anos: 

 

1 Não ter um orçamento.

Os primeiros salários dão a sensação única de patrimônio que lhe pertence. Por isso, boa parte das pessoas cai na tentação de simplesmente gastar esse dinheiro em tudo pelo que se interessa, sem planejar onde. Ter um orçamento prévio no momento de fazer compras ajuda a gastar com o que for melhor e mais necessário.

 

2 Postergar pagamentos.

Para o especialista, pessoas jovens tendem a usar cartões de crédito da maneira errada: sem pesar custos futuros ou calcular os pagamentos dos meses seguintes. “Use seu cartão de crédito como uma maneira inteligente de rastrear seus gastos, mas não gaste mais do que realmente tem”, escreve o especialista.

 

3 Esquecer do fundo de emergência.

Viver no limite é sempre prejudicial. “É difícil imaginar a necessidade de um fundo de emergência quando se é jovem, mas você nunca sabe o que o futuro pode trazer”, alerta Brad. Mantenha sempre uma parcela do seu salário guardada e investida.

  

4 Ignorar pagamento.

Ainda que seja importante gostar do que faz, o consultor acredita ser um erro pensar em prazer antes de considerar o pagamento. Se o salário for baixo, mas o escritório tiver pipoca e um ambiente amigável, ainda é importante reconsiderar a posição para uma que remunere seu trabalho de acordo com o que você merece.

 

5 Não ter metas.

Guardar dinheiro é mais fácil quando se estabelece desde o início uma meta. Para o jovem, é importante ter noção de onde se quer estar em 10, 15, 20 anos, para ter um incentivo maior.

 

Fonte: Infomoney

Por Ana Paula Zogbi

Artigo sugerido por Carlos William, Consultor Financeiro do Grupo Segeti.

 

 

 
   

Grupo Segeti - R. Doutor Olavo Egídio, 812 - Santana - São Paulo / SP - Telefone: (11) 2971-5500 | Design e Otimização por Barutti.com.br