003.jpg
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/947435Fiscontal.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/467488837198002.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/146270Segeti_Silva.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/990153Sem_t__tulo_1.jpglink
http://gruposegeti.com.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/900985ARQFISCO.jpglink
Fiscontal The accounting as a source of resistance to the economic crisis SS Tap Arq Fisco


Algumas dúvidas do português esclarecidas – 1ª parte PDF Imprimir E-mail
Quarta, 08 de Novembro de 2017 08:29

A partir deste mês farei uma sessão de esclarecimentos da língua, semanalmente, trazendo dúvidas comuns que afetam a grande maioria das pessoas.

Aproveitem a primeira semana:

1. Por que/Porque

Usa-se “por que” para perguntas, mesmo que implícitas. Exemplo: “Por que ela ainda não chegou?”

E quando podemos substituir por “por que razão” ou “por qual motivo”: “Ele não sabe por que está aqui”.

Usa-se “porque” para respostas. Se consegue substituir por “pois”, essa é a forma correta: “Não foi trabalhar porque estava doente”.

2. Por quê/Porquê

No final de uma frase, seguido de pontuação (exclamação, interrogação, reticências), o correto é “por quê”, como em: “Estou chateado. Sabe por quê?”.

Já o “porquê” tem exatamente o mesmo sentido de motivo ou causa, por exemplo: “Não sabia o porquê de tanta pressa”.

3. Mal/Mau

Mal” é o contrário de “bem”. Ex.: Mal tivemos tempo de fazer o relatório.

Mau” é adjetivo e o oposto de “bom”. Ex.: Ele é um mau empresário.

4. Mas/Mais

Mas” é conjunção adversativa e tem o mesmo valor de “porém”, “contudo” ou “entretanto”. Ex.: Trabalhava muito, mas nunca tinha dinheiro.

 “Mais” é advérbio de intensidade ou conjunção aditiva, indicando adição ou acréscimo. É também o oposto de “menos”. Ex.: Precisamos de mais colaboradores para executar a tarefa.

5. Haver/A ver

Por ter a mesma pronúncia, acaba gerando ainda mais confusão.

Haver” é verbo portanto é conjugado, e significa “existir”. Ex.: Havia muitas pessoas na sala de audiências.

“Ter a ver” é “ter ligação”. Ex.: Esta testemunha não tem nada a ver com o caso”.

  

            Na próxima semana, trarei alguns exemplos sobre o uso da crase.

Grazielle Pacini Segeti

IBL

 

 
   

Grupo Segeti - R. Doutor Olavo Egídio, 812 - Santana - São Paulo / SP - Telefone: (11) 2971-5500 | Design e Otimização por Barutti.com.br